A cultura e a ilusão do mercado

Na abertura da temporada do Teatro Alla Scala de Milão, o evento mais importante da pauta operística do mundo, o Maestro Daniel Baremboim dirigiu-se ao público presente na sala, fazendo sua a preocupação da comunidade produtora e consumidora de cultura na Itália e na Europa em relação aos cortes drásticos de subvenções e retração do Estado de suas responsabilidades culturais. Foi delirantemente aplaudido. Fora do teatro, uma grande manifestação popular de repúdio aos cortes estatais, teve que se ver com a repressão policial do governo Berlusconi. Fosse italiano, o cineasta Luis Carlos Barreto estaria do lado da turma do Berlusconi, gritando a plenos pulmões que o Estado não deve ser provedor de cultura. Ao menos é o que se depreende da leitura de seu artigo “nem fica nem sai Juca”, publicado na Folha de São Paulo no dia 9 de dezembro de 2010.
No seu texto, na verdade um manifesto anti Juca Ferreira, Barreto desclassifica toda uma mobilização espontânea de importante parte da classe artística que vem apoiando a permanência de Ferreira no Ministério da Cultura, em diferentes partes do Brasil, afirmando que tal movimento não conta com a participação da “classe artística”. E o que somos nós, músicos, cantores, diretores de teatro, pensadores culturais, dançarinos, produtores etc, que temos, sim, nos engajado publicamente pela sua recondução ao cargo?
Talvez Luis Carlos ache que eu seja beneficiário de uma verba astronômica dirigida à “cultura de salão” e nem me considere artista digno de discutir a questão cultural no País. Talvez ele desconsidere a linguagem cultural que eu represento, a julgar pela forma pejorativa com que ele se refere à música clássica.
Barreto é o tipo de produtor artístico que Berlusconi tem como ideal para o século XXI, aquele que recebe as benesses do Estado, mas isenta o Estado da enfadonha responsabilidade de pensar a cultura e apresentar democraticamente propostas definidas de política cultural.
Evidentemente que, com esse perfil, Barreto jamais apoiará um Ministro como Juca Ferreira. Ferreira representa um tipo de político que encara o Estado como um pensador e enunciador de uma política cultural, com projetos definidos, e que chama para si a responsabilidade de viabilizar aquilo que o mercado jamais terá interesse em realizar.
Curioso é perceber que justamente essa produção cultural “autônoma” que Barreto enaltece, viveu as últimas décadas mamando nas tetas generosas do Estado, beneficiando-se justamente dos “mecanismos de clientelismo” que o produtor cinematográfico critica. Reclamando eternamente da penúria em que são mantidos, os “autônomos” se opõe a um Ministro que propõe uma discussão democrática sobre o emprego das verbas oficiais para a cultura, alegando que se trata de uma prática autoritária.
Realmente para Luis Carlos Barreto, como ele mesmo afirma, não é importante discutir se Juca fica ou não. Aliás, para essa tendência que Barreto representa, não é fundamental um Ministro que pensa e discute. Aliás, nem é importante ter um Ministro da Cultura, sonho de Berlusconi. Basta um mecanismo de distribuição de verbas e esmolas para o pátio dos milagres das artes brasileiras.
(Publicado na Folha de São Paulo no dia 12/12/2010)

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

3 respostas para A cultura e a ilusão do mercado

  1. Eduardo disse:

    Maestro, parabéns pelo prêmio da APCA.

  2. Sebastião Teixeira disse:

    Maestro !!
    Que 2011 seja repleto de bons projetos e, revolucionários , como foi o Il Barbiere di Siviglia !!
    Parabéns pelo prêmio APCA !!
    Obrigado por tudo !!
    Abraço.

  3. Bete barbosa disse:

    muito bom maetro. Foi Absurdo a saída do ministro Juca. Tinha que ter uma continuidade do bom trabalho q ele estava fazendo. Chega desta turminha no poder: Barreto, Grassi e etc…. Juca tava fazendo um bom trabalho. No discurso de posse da nova ministra já deu para perceber o que nos espera a cultura do nosso país. Uma pena!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s