Gente que mente

O jornalista Augusto Nunes publicou hoje no seu blog da Veja.com duas notas em que usa o meu nome, para fazer gracinha e me desmerecer. Não conheço o Sr. Nunes, nunca o encontrei pessoalmente, ele não esteve presente no jantar em que conheci Dilma Rousseff, e mesmo assim resolveu pescar partes de frases que escrevi no meu blog e que disse sobre Dilma e o jantar a uma jornalista do jornal “O Globo”.
Esse comportamento faccioso de parte da imprensa já me causou um dano imenso. Durante muito tempo fui vítima de uma cruel imolação pública, em grande parte responsável pela minha demissão sumária da OSESP. Não contente com isso, o Sr. Nunes, que nunca me entrevistou, dá a entender no seu comentário que estou atrás de benesses e empregos públicos. Esclareço ao Sr. Nunes que nunca fui funcionário público nem nunca pedi emprego a governo algum. Fui convidado pelo Governo de São Paulo para reestruturar a OSESP, que ensaiava num restaurante quando cheguei a São Paulo vindo da Suíça, onde tinha uma carreira mais que estabelecida havia quase 20 anos. Durante 12 anos que estive no cargo de Diretor Artístico da OSESP ganhei um salário compatível com a minha posição, paguei todos os meus impostos, construí uma orquestra da qual o País pode hoje se orgulhar. Em troca, fui demitido por e-mail, de um dia para o outro, sem receber os meus direitos. Até hoje, luto na Justiça para receber o que me é devido.
Há um ano, propus um novo projeto de Ópera que foi encampado e patrocinado pelo Ministério da Cultura. Hoje, empregamos quase 100 pessoas diretamente na Companhia Brasileira de Ópera, estreamos o espetáculo da forma como anunciamos em Belo Horizonte e o Barbeiro de Sevilha está atualmente sendo apresentado em Porto Alegre. Percorrerá em seguida mais 13 cidades brasileiras.
E vem este jornalista afirmar que estou atrás de emprego? O que não me falta, Sr. Nunes, é trabalho. Quem está atrás de benesses são políticos corruptos e jornalistas vendidos a propósitos eleitoreiros. Sei perfeitamente distinguir Dilma Rousseff, com quem conversei horas sobre ópera e sobre a possibilidade de se criar uma estrutura lírica permanente no Brasil, da Giselle Bundchen, que admiro pela beleza e elegância, mas a quem não chamaria para parceira em nenhum projeto de cultura, ao menos a cultura que represento.
Não me confunda, Sr. Nunes, usando seus próprios parâmetros. Eu sei sim a diferença entre um artista sério, um político culto e um jornalista que dá pouca importância à ética, e que parece não ter compromisso com a verdade.

Anúncios
Esse post foi publicado em Texto e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

5 respostas para Gente que mente

  1. Maestro

    Aqui escreve uma sua fã incondicional.

    Não morda a isca, Maestro!Não morda!!
    E isso que eles querem.
    Quem é esse jornalista?
    Citá-lo é tudo de bom para ele…!

  2. Kelly disse:

    O nível da abordagem do jornalista e do grupo que comentou em seu blog é impressionante.
    De uma conversa sobre cultura, tudo que conseguem extrair é a importância de discutir a beleza da Sra. Dilma.
    Pessoas bem informadas que acreditam que o salário do nosso maestro era o maior do mundo e pior, que a Fundação gasta menos com os consultores, assessores e regentes convidados, do que gastava com o salário de John Neschling. Doce ilusão.
    Também não devem saber que os preços aumentaram , ao contrário da qualidade.

    Quem entende de administração pública, analisando a situação pelos princípios da eficiência e da transparência, enxerga além e não encontra argumentos que apoiem a decisão da demissão sumária do ex regente e diretor artístico da Osesp.

    Mais interessante ainda, afirmarem que o maestro se submete a um poder ou partido. De fato, tais acusações demonstram a mais absoluta falta de conhecimento de sua história e de sua luta para trazer a música erudita para nós brasileiros, no nível em que trouxe. Foi por se opor a tal submissão, que foi perseguido.

    Voltando ao que importa, maestro, que bom que não desistiu de nos trazer cultura, com sua Cia de Ópera. Opositores sempre existem, mas na hora de mostrar trabalho, quem mostra é o senhor. O resto é blablablá.

  3. a cantora careca disse:

    Maestro, estou contigo e não abro. Esses jornalistas fazem intriga, esculhambam, invejam, mas não se preocupe: “os cães ladram e a caravana passa”, viva a Cia de Ópera!

  4. Rafael Cattai disse:

    Eu já estou cansado de parte da imprensa! O blog está na rede há tempos, e depois de tantas reflexões importantes vêm falar do Senhor por causa da citação à Dilma?!Curioso, não é? Sugiro à revista que publique, p ex, sobre a pasmaceira do Municipal, sobre a PASMACEIRA DA EDUCAÇÃO DE SÃO PAULO (afinal, se é para partir para comentários politizados, que o façamos). Saímos da ditadura de 1988 para abraçar outra já em ascensão! A da mídia! Faço as minhas as palavras da cantora: Salve a Cia Brasileira de Ópera!

  5. mirna disse:

    Sou produtora de ÓPERA & JAZZ em Curitiba e gostaria de lhe mandar um link de uma das grandes revelações do canto lírico brasileiro , a soprano curitibana (23 anos) Diana Daniel que mora em New York para sua avaliação, não deixe de ouvir !

    Una voce poco fa:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s