Começando

Minha saida abrupta e (ao menos para mim) inesperada da direção artistica da OSESP acabou privando-me de um canal direto de comunicação com o público paulistano, paulista e brasileiro. Durante o ano e meio que se passou desde meu desligamento da orquestra, senti muita falta desse canal. Não que minhas esporádicas falas antes dos concertos fossem uma linha aberta de conversa com o público, nem que o livro “Musica Mundana” que publiquei em novembro do ano pasado tenha esgotado as reflexões que gosto de fazer e discutir sobre música, cultura e política cultural. Era mais no meu trabalho diário na administração artistica da OSESP, nas idéias e programaçõesque eu podia por em prática asim como na possibilidade de avaliar imediatamente o seu reflexo no dia a dia cultural do País que eu me sentia participante do pensar cultural no Brasil.

As inúmeras entrevistas que pude dar depois do meu afastamento involuntário da orquestra, embora muitas vezes literais nos meus pronunciamentos, só expunham parcialmente minhas posições e meus pensamentos. A nossa relação com a imprensa, quando somos entrevistados ou quando o somos objeto de matérias – positivas ou não, é necessariamente desigual para o nosso lado: o que sai no jornal, no rádio ou na televisão é o que vale. O resto são reações, nem sempre levadas em consideração, nem sempre lidas, nem sempre publicadas, e mesmo quando o são, editadas da maneira que mais parece justa ou adequada ao jornalista, nunca ao sujeito em foco.

O aparecimento dos blogs e da posibilidade de comunicação direta entre qualquer cidadão e a comunidade me parece um dos fenômenos mais democráticos dos últimos tempos. Embora também leonino, no sentido de que o blogueiro escreve e edita o que quer, dá a possibilidade a todos de dizer e expressar a sua opinião, sem censuras e limites de espaço ou ideologia. Quem quiser ou puder, que responda ou reaja no seu próprio blog. Durante muito tempo hesitei em criar o meu próprio blog para conversar com um público desconhecido e para expor da maneira mais clara possível – ao menos para mim, as minha idéias e pensamentos relativos à música, à política musical e cultural em São Paulo, no Brasil e mundo. Afinal de contas a tentação de cometer imprudências é grande, de fazer afirmações impensadas que atinjam a alguém ou a uma instituição é constante. Por outro lado, a posibilidade de responder imediatamente a injustiças cometidas ou pronunciadas, e de esclarecer, ou tentar repor a verdade é um imã irresistível para um ativista cultural como procuro ser há anos.

Portanto inauguro hoje o meu blog, esperando encontrar parceiros de reflexão, de discussão, e para expor um pouco, mesmo que seja de forma unilateral, os meus pensamentos (imperfeitos à la Rubem Fonseca), mas sinceros e (quase sempre) desinteressados.

Até já.

Anúncios
Esse post foi publicado em Texto e marcado , . Guardar link permanente.

6 respostas para Começando

  1. Heloisa Fischer disse:

    Alvíssaras! Vc on line! Seja bem-vindo à blogosfera.

  2. Martin Muehle disse:

    Caro Maestro Neschling, li seu blog com deleite. Não sabia de sua verve literária!
    Um grande abraço e até muito em breve, espero.

    Martin Muehle

  3. Cleber Papa disse:

    Parabéns pelo blog .
    Entendo perfeitamente sua “angústia” pelo espaço de expressão e a profundidade desta via democrática.
    Suecesso em mais esta empreitada.

  4. Flávio Moreira disse:

    Caro Maestro:

    Parabéns pela iniciativa do blog. Depois de ter lido seu livro em algumas horas com muito prazer, acho ótima a ideia de ler mais textos seus na rede. É uma escrita saborosa e fluente, além de enriquecedora.

    Um grande abraço e sucesso com a Companhia de Ópera.

  5. gustavomusic disse:

    Olá Maestro!

    Que satisfação poder acompanhá-lo em tempo real!

    Este blog é a reposta à dois anseios que eu tinha e não encontrava informações na internet. Um deles era saber informações sobre como estão os preparativos da Companhia Brasileira de Ópera, um projeto que me despertou muito interesse e eu estou torcendo com todas as minhas forças pra emplacar. O outro era propriamente ler John Neschling, pois eu adquiri recentemente o música mundana, não é exagero dizer que este virou meu livro de cabeceira. Sou estudante de Regência e pra mim foi muito interessante conhecer sua carreira mais de perto. Então eu vou “bater cartão” aqui no blog todo dia claro! hehe

    Muito sucesso e um grande abraço!

  6. Leticia Muniz Barretto Volasco disse:

    JN !!!! Fico feliz pela oportunidade de poder “lê-lo”. Só uma pessoa com a sua inteligência, cultura e talento teria capacidade de criar textos tão verdadeiros e enriquecedores e, mais: ter a coragem de expo-los ! Recomeçar é preciso ! Sempre. Admiro a sua tenacidade ! Torço por você. Grande beijo prá vc e Patrícia ! Saudades ! Leticia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s